A Quinta da Brôa tem assim a sua origem na Quinta do Almonda, arrendada em 1829 ao 8°. Conde da Ribeira Grande e que foi depois por Rafael José da Cunha adquirida, em 1831. Scroll

Quinta da Brôa

História

Rafael José da Cunha, nascido em Castelo Branco em 1792 e baptizado na Covilhã no seio de uma família de agricultores de eleição, com estreitas ligações à Casa Real, muito novo ainda percorre a Europa, inteirando-se de grandes inovações no mundo agrícola e apercebendo-se que só no Ribatejo as podia pôr em prática; com familiares influentes em Tomar e Torres Novas decide deslocar-se e fixar-se na Golegã em 1817

A Quinta da Brôa tem assim a sua origem na Quinta do Almonda, arrendada em 1829 ao 8°. Conde da Ribeira Grande e que foi depois por Rafael José da Cunha adquirida, em 1831. A prosperidade gerada pelos êxitos de boa administração, atraía os povos da região, pedindo esmola, e a eles lhes dava brôa, e daí: um mendigo "ia à brôa", passando então o povo a chamar-lhe Quinta da Brôa, denominando depois de "Palácio Novo" todo este conjunto habitacional e de assento de lavoura, mandado edificar onde primitivamente teriam existido outras construções.

Cultivando cereais, vinha e olival, cedo passa também a criador de gado cavalar e de bovinos de trabalho. Em 1817 dá, pois, inicio à sua coudelaria a qual é percursora e atinge a plenitude nos famosos Cavalos Veiga de pura Raça Lusitana, linhagem esta com quase 200 anos de existência, verdadeiro ex-libris do cavalo em Portugal e no Mundo.

Como curiosidade, refira-se que, quando faleceu, em 1869, Rafael José da Cunha tinha ao seu serviço 220 empregados permanentes e a sua fortuna estava avaliada em 900 contos. Os bens encontram-se descritos num inventário de quase 300 páginas, entre as quais se registou a existência de 796 cabeças de gado bravo, 638 bois de trabalho, 267 cavalos, 2782 ovelhas e 1442 porcos.

Descendentes seus são, portanto, os actuais proprietários da quinta, Senhora Dona Maria Amélia Coimbra de Castro Veiga e seu filho Senhor Manuel de Castro Tavares Veiga.

Situada na Freguesia da Azinhaga, Concelho da Golegã, Distrito de Santarém, é circundada pelo rio Almonda, em cujas férteis aluviões pastoreiam equinos, bovinos e ovinos num enquadramento de rara beleza, que pode ser apreciado do "espargal" sobranceiro e onde se situam o casario e toda a área coberta.

A intensa actividade agro-pecuária exigia muito mais e assim, por esses amplos pátios e terreiros, onde a sombra de plátanos seculares embeleza e ameniza, encontramos a cavalariça e casa de arreios, de esmerado bom gosto. Armazéns, telheiros de máquinas e alfaias, lagar de azeite e escritórios, outros dos "cómodos" ali existentes. Noutro extremo, um picadeiro, onde se trabalha, no dia-a-dia, de manhã à noite. Ainda neste conjunto, mais ao centro, a "casa dos carros", recheada das mais belas atrelagens, sempre prontas a servir, e com as paredes a ostentar inúmeras relíquias de um passado centenário.

Outro núcleo habitacional existe ainda do outro lado da Estrada Real, a Quinta da Piedade, com um conjunto de casas de trabalhadores, hoje reabilitadas para Turismo Rural.

GuestCentric - Hotel website & booking technology